Educação para o Bem Viver

Por que a obra de Moby Dick é tão importante?

O romance Moby Dick é uma obra-prima escrita pelo romancista, contista e poeta americano Herman Melville, conhecido principalmente por seus romances ambientados no mar. Melville nasceu em Nova York, nos Estados Unidos, no ano de 1819, e morreu na mesma cidade em 1891.

A história foi inspirada no naufrágio do navio Essex, comandado pelo capitão George Pollard, que perseguiu teimosamente uma baleia e ao tentar destruí-la, afundou. Outra fonte de inspiração foi a cachalote albina Mocha Dick, supostamente morta na década de 1830 ao largo da ilha chilena de Mocha. Ela se defendia dos navios que a perturbavam com muita ferocidade.

A obra literária é rica  em símbolos. Existem inúmeras interpretações para essa obra. Algumas pessoas acreditam, por exemplo, que os personagens do livro representam figuras da Bíblia, enquanto outras os associam à mitologia grega. Segundo alguns críticos, a capacidade de gerar diferentes interpretações é o que torna Moby Dick uma obra-prima.

O livro é muito importante para a literatura americana, principalmente por sua temática sobre a relação destrutiva entre o homem e a natureza, sua descrição muito bem feita e suas reflexões muito bem pensadas. A obra é um verdadeiro drama, com profundas reflexões filosóficas acerca da existência humana, da busca pelo inacessível, há vários questionamentos sobre o que nos inquieta na existência humana. Moby Dick significa a força implacável da natureza, o destinos, os mistérios do Universo, a busca do entendimento e o desejo de romper com os limites intrigam a trama.

No vestibular, Moby Dick acaba sendo usada para fazer questões interdisciplinares, principalmente com as ciências da natureza, como física e biologia.

Por que a obra de Moby Dick é tão importante?

Resumo da obra

A história começa na Costa Leste dos Estados Unidos, em meados do século XIX, em que conhecemos o narrador do livro, o marinheiro Ismael, que vai para New Bedford para passar uma noite antes de ir para outra cidade. Lá, ele conhece Queequeg, um arpoador da Nova Zelândia que parece ser selvagem e perigoso, mas que acaba sendo um bom amigo e conta sua história, pois era filho de um Grande Chefe e havia deixado seu país para aprender mais com os Cristãos.

Os dois decidem ir para Nantucket juntos e escolhem passar um ano no baleeiro Pequod, a mando de Peleg, que é o capitão aposentado do navio e de seu associado, Bildad. Peleg fala com eles sobre o novo capitão, Ahab, e imediatamente o descreve como um homem grandioso mas pouco cristão. Os dois embarcam no Pequod, onde o capitão Ahab ainda está oculto, trancado na sua própria cabine. Nessa parte, acabamos conhecendo a tripulação do navio, formada por Starbuck, o primeiro imediato; Stubb, o segundo imediato; Flask, o terceiro imediato; além dos outros marinheiros, a maioria americanos, com exceção do indígena Tashtego e do africano Daggoo.                                         Após vários dias de viagem, Ahab finalmente aparece para a tripulação. Ele é um homem muito imponente, e possui uma perna artificial feita de marfim retirado de um osso de baleia. Ele faz um discurso para a tripulação do Pequod, falando que eles iriam procurar uma enorme baleia branca com um dorso enrugado: Moby Dick, a lendária baleia que tinha arrancado a perna do capitão. Starbuck diz a Ahab que sua obsessão com Moby Dick é loucura e começa a se preocupar que o navio esteja dominado por um capitão insano.

Os marinheiros seguem viagem e, em meio a ela, encontram diversos navios com história diferentes como encontros com Moby Dick, epidemias que mataram vários tripulantes ou motins. Além disso, eles vão caçando diversas baleias, e conseguem matar uma baleia branca e outras comuns, mas conseguem capturar poucas delas.

Ao atingir o Oceano Pacífico, Ahab ordena que o ferreiro faça um arpão para ser usado contra Moby Dick, que deveria ser temperado com o sangue dos seus arpoadores pagãos, e  batizado em nome do Diabo.

O capitão decide seguir uma rota cheia de tempestades em sua busca pela grande baleia, e sonha todas as noites com a morte do animal. Em meio a isso, eles se encontram com mais um navio, o Rachel, cujo capitão pede a ajuda da tripulação para procurar seu filho, que podia estar perdido no mar, mas Ahab recusa secamente quando descobre que Moby Dick está por perto.

Antes de finalmente achar Moby Dick, Ahab relembra o dia em que tinha arpoado sua primeira baleia, e lamenta a solidão destes anos no mar. Ele admite ter perseguido sua presa mais como um demônio do que como um homem.

A luta contra Moby Dick dura três dias. No primeiro dia, Ahab avista pessoalmente a baleia, e os botes remam na direção dela. Moby Dick ataca e afunda o bote de Ahab, mas ele sobrevive ao ataque e é recolhido pelo bote de Stubb.

No segundo dia, Moby Dick quebra a perna de marfim de Ahab. Depois deste segundo ataque, Starbuck critica Ahab, dizendo a ele que sua perseguição é ofensiva a Deus mas o capitão declara que o combate entre ele e Moby Dick está imutavelmente decretado, e a atacará novamente no dia seguinte.

No terceiro dia, Ahab finalmente acerta a baleia com o seu arpão, mas ela novamente vira seu bote. A baleia investe furiosamente contra o Pequod, que é duramente golpeado e começa a afundar. Num ato aparentemente suicida, Ahab lança seu arpão em Moby Dick, mas fica emaranhado na linha e mergulha no oceano com ela, morrendo afogado.

Somente Ismael sobrevive ao ataque; ele estava num dos botes destruídos e consegue se agarrar à canoa de Queequeg. Ele acaba sendo resgatado pelo Rachel, cujo capitão continuava a buscar pelo seu filho desaparecido.

Personagens principais

Ismael: Narrador da história, é um jovem marinheiro que vai trabalhar no baleeiro Pequod e começa a entender como é a vida no mar em meio às caças de baleia.

Queequeg: Amigo de Ismael, é um arpoador da Nova Zelândia que decidiu viajar para aprender com os cristãos, decidindo trabalhar no Pequod junto com seu amigo.

Ahab: Capitão do navio Pequod, tem um ódio mortal contra Moby Dick e chega mesmo a ser considerado louco, pois faz de tudo para matar a baleia, que vira sua obsessão desde que ele perdeu a perna.

Moby Dick: Grande baleia branca, é um animal feroz, que luta com todas as forças pela sua vida. Ela vira inimiga mortal de Ahab quando arranca sua perna em meio a uma caça. No final, ela acaba afundando o navio e causando a morte de toda a tripulação, menos de Ismael.

Starbuck: Primeiro intendente do navio, vive criticando Ahab e seus métodos de navegação, estando sempre preocupado de estar sob o comando de um capitão insano. Tem diversas discussões com o capitão e chega a desobedecer a algumas ordens insanas dele.

Fonte:

Moby Dick – Literatura | Manual do Enem (querobolsa.com.br)

www.recantodasletras.com.br/artigos-de-literatura/6618321

https://escola.britannica.com.br/artigo/Moby-Dick/483394

HERMAN MELVILLE: MOBY DICK | JOSÉ GARCEZ GHIRARDI – YouTube

Você também pode gostar...

6 comentários

  1. cleide rosa gomes diz:

    Uma história muito diferente mas interessante o gosto das pessoas a caçarem baleia em alto mar gostei muito da história

  2. Moby dick.é uma história muito interessante.ja vi o filme e amei.

  3. Profa. Wendi Francine Benta Martinez

    E muito interessante esta historia

  4. Excelente história que mostra que o homem insiste em desafiar a força da natureza, e com isso tem suas consequências.

    1. Prof. Dr. João Ras

      Olá Vilma, ficamos felizes de ver seu comentário! Realmente essas histórias nos fazem pensar nas atitudes humanas.

      1. Profa. Wendi Francine Benta Martinez

        Muito bacana ver vocês participando das leituras do Blog. A História da Moby Dick realmente nos faz refletir do quanto a natureza pede por socorro, como a Vilma colocou, acabamos vivendo consequências. Precisamos preservar nosso meio Ambiente para termos um futuro melhor. O homem já interferiu muito pensando em si mesmo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *