Dignidade Íntima Grêmio Estudantil

Dignidade Íntima: a saúde da mulher é tema de destaque em atividades do CEEJA de Marília!

No Brasil, a cada quatro estudantes pelo menos uma tem seus estudos prejudicados devido à pobreza menstrual. Por isso, a devida atenção ao tema, que assegura nas escolas, o fornecimento de produtos de higiene menstrual.

Iniciativa que também cria uma rede de apoio entre a escola e sua comunidade a fim de atender e orientar quem mais precisa.

Professores de diferentes áreas do conhecimento foram fundamentais para ampliar a abordagem do tema no CEEJA.

Foi aprovado recentemente o projeto de lei que cria o Programa de Proteção e Promoção da Saúde Menstrual e o qualifica como estratégia para a promoção da saúde e da atenção à higiene em todo o Brasil. 

Além de prever campanhas públicas informativas sobre a saúde menstrual e as consequências para a saúde da mulher, o projeto ainda prevê a distribuição gratuita de absorventes para pessoas de 12 a 51 anos, principalmente as estudantes de baixa renda matriculadas em escolas da rede pública de ensino e em situação de rua ou de vulnerabilidade social extrema. As mulheres privadas de liberdade e adolescentes internadas em unidades para cumprimento de medidas sócio-educativa também são contempladas, mencionadas como grupos prioritários do projeto. 

Agora o projeto segue para sanção do presidente e, se sancionada, será uma lei fundamental na promoção da dignidade menstrual no Brasil. Viva a luta das mulheres!

Buscando promover ações voltadas a redução das desigualdades em parcerias com várias disciplinas e na abordagem do projeto “A Vez Delas” convidou nossas e nossos estudantes a refletirem sobre a complexidade da pobreza menstrual.

Nesse sentido, o CEEJA promoveu um espaço de reflexão sobre o assunto convidando-os a expressar-se através de relatos, produção textual, visando ouvir suas impressões e principais conceitos em relação ao seu ciclo menstrual feminino e os estudantes do gênero masculino também puderam participar contribuindo com seus relatos e opiniões sobre o assunto.

Vejasmos a seguir alguns relatos:

Quando perguntado para estudante Ana:

Tinha informações sobre o assunto quando menstruou pela primeira vez? 

Não, nenhuma. vim de uma família conservadora e minha mãe não comentava sobre o assunto com nós. Quando menstruei pela primeira vez foi na escola e tive muita vergonha pois eu não sabia o que fazer e eu tinha um professor que me dispensou da aula. Quando cheguei em casa ainda apanhei por ter menstruado e comentado isso para meu professor. Tive que usar pano por muitos e muitos anos pois não sabia nem que existia absorvente e também não tínhamos condições nenhuma de comprar.”

Como é o tratamento dispensado a você por parte de pai, irmãos, marido, namorado, companheiro durante seu período menstrual?

é bem complicado porque eles não entendem que nesse ciclo menstrual a mulher fica bem sensível, muitas vezes choramos e sentimos muitas dores e na maioria das vezes falam que é frescura. Mas nós sabemos que só precisamos de um pouquinho de compreensão.

Quando perguntado para estudante Alex:

O que você acha que é a TPM? 

“Um período que a mulher fica mais sensível e brava ao mesmo tempo.”

Como você auxilia as mulheres que convivem em seu entorno nesse período? 

Geralmente elas são um pouco fechada a respeito disso.

Já para o estudante Jefferson:

Qual a sua reação se você ver que a roupa de uma mulher manchou de menstruação? Você se lembra de já ter visto isso?

Nunca vi isso, mas se chegar a acontecer de eu ver eu aviso para a mulher.

PS: Os nomes das estudantes e dos estudantes foram alterados por nomes fictícios a fim de guardar a privacidade de cada um. A partir desses relatos o CEEJA está organizando formações pedagógicas a fim de dar mais luz ao tema por meio de oficinas e rodas de conversas com professores e profissionais da área da Saúde, Sociologia e demais áreas afins.

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *