Educação para o Bem Viver

O sentido da vida como prevenção ao suicídio

O MÊS de setembro é dedicado à prevenção ao suicídio. Nestes tempos de pandemia de Covid-19, é necessária uma atenção especial às emoções, com um olhar para a esperança e o sentido da vida, fundamentais na prevenção a esse grave problema.

DIA MUNDIAL DE PREVENÇÃO DO SUICÍDIO – 10 DE SETEMBR...Os medos, a insegurança, a angústia, a ansiedade, o transtorno de pânico, a timidez patológica e a depressão estão entre as situações que provocam adoecimento emocional e, se não tratadas, podem levar a pessoa a uma depressão profunda e, em alguns casos, ao suicídio.

Segundo a ABP (2014), é necessário observar o paciente com comportamento potencialmente suicida, levando em conta o pensamento (ideação), o planejamento e a tentativa de tirar a própria vida. Uma das formas de minimizar o comportamento suicida é a prevenção por meio da informação e formação a respeito do problema,
mediante o trabalho multi e interdisciplinar.

Isso implica a busca de ajuda de serviços de saúde mental, mediante acompanhamento psicológico e psiquiátrico. Nesse sentido, são recomendáveis, em muitos casos já na infância e adolescência (MPFDF, 2019), a atenção e o cuidado com a informação sobre o sentido da vida humana (e consequente prevenção ao suicídio) por meio de programas, atividades e eventos.

Gutman e Mesquita (2019), por sua vez, explicam que depressão e suicídio não significam “falta de Deus”, uma vez que sua causa pode ser multifatorial, inclusive de ordem neuroquímica Por meio dessa interpretação, o mito da “falta de Deus” é quebrado pela própria ciência na medida em que essa assume uma abordagem biopsicossocial e espiritual do ser humano.

Essa abordagem corresponde à perspectiva da logoterapia de Viktor Frankl (2015) para quem o sentido da vida implica essa perspectiva biopsicoespiritual. Por meio desse olhar, encontra-se um motivo para se ter esperança eSUICÍDIO NÃO DIGA SIM VIDA - Verdade Luz enfrentar os desafios existenciais mediante o fortalecimento dos laços afetivos e sociais e a descoberta do sofrimento como uma experiência de vida válida.

Uma das propostas que vão ao encontro da construção de uma vida de sentido e esperança vem da dinâmica da “Arte de Amar”, conforme a experiência e o pensamento de Chiara Lubich (2006). Por meio dessa “arte”, é possível ampliar o olhar do ser humano sobre o sentido da vida – inclusive, como prevenção do suicídio – partindo de uma dimensão integral sobre a existência humana, em que o amor a Deus, ao outro, à natureza e a si mesmo garantem um significado profundo para a existência da pessoa.

 

 

Por João Batista Bezerra de Sousa
Vida com dignidade

FONTE

Saúde | revista@cidadenova.org.br. Disponível em  www.verdadeluz.com.br/suicidio-nao-diga-sim-vida

Texto cedido gentilmente pela Revista Cidade Nova ao CEEJA de Marília-SP.

Você também pode gostar...

Deixe um comentário