Ciências Educação para o Bem Viver UBUNTU

ATENÇÃO ÀS ELEIÇÕES MUNICIPAIS!

Por: Revista Cidade Nova – texto cedido especialmente para o CEEJA de Marília. 

Em meio ao caos da pandemia, quase nos esquecemos, mas é fato que este ano temos eleições municipais. Com certeza, podemos esperar um uso massivo da internet nas campanhas eleitorais e, infelizmente, também o seu mau uso. Por isso, separamos três regras sobre a propaganda eleitoral na internet em 2020 para você acompanhar a atuação dos seus candidatos em conformidade com a lei.

1 – CONTEÚDOS PATROCINADOS.

Assim como nas eleições de 2018, os candidatos estão liberados para impulsionar publicações nas redes sociais, ou seja, pagar para que elas tenham mais alcance, bem como para aparecerem nas primeiras posições nas páginas dos buscadores, utilizando, por exemplo, ferramentas como o Google Ads. Todos esses patrocínios devem ser contratados junto às ferramentas e, por isso, devem vir com o identificador “patrocinado”.

                                        2 – O DIREITO DE RESPOSTA NA INTERNET.

O direito de resposta continua garantido nos mesmos meios utilizados para divulgar o conteúdo detrator. Além Direito de Resposta Direito Facil, Direito De Resposta, Entendeu Direito, Direitos Sociais, Direitos Fundamentais, Direitos E Deveres, Mapas Mentais Direito Constitucional, Direito Processual Penal, Aulas De Direitodisso, as respostas devem ser impulsionados com o mesmo recurso. Portanto, se um conteúdo detrator foi impulsionado no Facebook com um montante “X” de patrocínio, a resposta deverá ser veiculada nessa mesma página com o mesmo valor.

3 – NADA DE FAKES E ROBÔS.

Robôs digitais e fake news podem ser armadilhas para empresas | TI INSIDE Online A lei proibindo o uso de perfis falsos e de robôs para denegrir a imagem de outros candidatos até existe. Mas sabemos que esse será um grande desafio. Portanto, fique de olho. As campanhas pagas de propaganda eleitoral são permitidas apenas para promoção ou benefício dos próprios candidatos. É vedada a “desconstrução de candidatura”, como ficaram conhecidas as estratégias que denegriam a imagem de outros candidatos, amplamente utilizadas nas últimas eleições. Os candidatos que fizerem uso desses artefatos e espalharem conteúdo inverídico sobre seus oponentes na internet podem perder a candidatura e até ser presos.

Fonte: Texto publicado originalmente em revista@cidadenova.org.br (Dicas preciosas a cada Edição.)

Você também pode gostar...

Deixe um comentário