Escola

CEEJA: uma escola de leitores e escritores!

No CEEJA, assim que o estudante realiza a matrícula já é convidado a realizar algumas leituras e a produzir algum texto. A partir daí, muitos sentidos vão sendo construídos durante toda sua jornada de troca de saberes com os professores e com outros colegas que vão encontrando pelo caminho da sua formação escolar, além de todas as relações sociais que vão acontecendo na vida e que são mediadas pela linguagem.

Pensando nisso, trazemos aqui um pouco das ideias do professor João Wanderley Geraldi a respeito da concepção de linguagem como interação, que é bastante estudada no CEEJA

João Wanderley Geraldi, nascido em São Luiz Gonzaga em 26 de dezembro de 1946 é um pesquisador e professor brasileiro conhecido por seus trabalhos sobre ensino de língua portuguesa e análise da linguagem. Escritor de diversos livros, possui um em específico que se sobressai: “O texto na sala de aula”, publicado em 1984. Além de Geraldi, o protagonista, o livro possui outros sete ilustres autores.

O exemplar é divido em quatro tópicos: Fundamentos, Práticas de Sala de Aula, Sobre a Leitura na Escola e Sobre a Produção de Textos na Escola. No tópico “Fundamentos”, os autores frisam que a sociedade brasileira divide e isola as pessoas em grupos, distribuem a miséria entre a maioria e concentram os privilégios nas mãos de poucos. Eles enquadram a instituição escolar no termo “miséria”, pois muitos se esquecem que a educação é um problema social. Os autores ressaltam também a importância em ensinar o português padrão nas escolas e em criar meios para que ele seja aprendido.

O segundo tópico: “Práticas de Sala de Aula” traz sugestões de atividades práticas que devem ser entendidas no interior da concepção da linguagem como forma de interação. Geraldi propõe várias atividades voltadas à leitura e produção de textos, envolvendo desde os sextos até os nonos anos.

Grêmio Estudantil do CEEJA priorizou atividades ...Já no terceiro tópico, Sobre a Leitura na Escola”, é ressaltado que a leitura é um processo de interlocução entre leitor/autor, mediado pelo texto. É frisado também que um “leitor maduro” é aquele para quem cada nova leitura desloca e altera o significado de tudo o que ele já leu, tornando mais profunda sua compreensão dos livros, das gentes e da vida (Lajolo, M, 1982ab, p.53).

Por fim, o quarto tópico, ” Sobre a Produção de Textos na Escola”, traz a questão dos padrões estipulados para o aluno escrever. Geraldi diz que na linguagem se revelam as diferentes classes sociais e que devemos preparar o aluno para o futuro. Ao fim da leitura, podemos observar que a escrita é fundamental e deve ser sempre praticada e revisada quantas vezes forem necessárias, pois como o autor diz: “o aluno deve ter o que dizer, para quem e para que  de modo a poder definir como dizer“.

Você também pode gostar...

Deixe um comentário