Escola

É possível ser feliz como somos?

CINE CEEJA recomenda o filme: “Nada que eu ouça” (Sweet Nothing in My Ear)

Nada que eu ouçaCategoria: Filmes
País: Estados Unidos
Ano: 2008
Título: “Nada que eu ouça” (“Sweet nothing in my ear”)
Línguas: Inglês e American Sign Language (ASL), legendas em Português

O “Nada que eu ouça” (Sweet Nothing in My Ear) narra uma difícil decisão de um casal, Laura (surda) e Dam (ouvinte), em deixar ou não que o filho deles, Adam (surdo), passe por uma cirurgia de implante coclear. Nota-se no filme que a família é totalmente adaptada às necessidades dos surdos: a campainha é através da iluminação; o telefone é visual.

Tais adaptações (ou seria totalmente normal para a família, afinal a surdez é uma deficiência ou diferença? É uma pergunta retórica, e depende da opinião de cada um) tornam a vida da família muito mais simples, e claro, a comunidade surda na qual eles vivem, ou seja, amigos surdos ou que conhecem a Língua de Sinais e o emprego no qual Laura trabalha com crianças surdas.

O pai do Adam considera que ouvir é algo essencial ao filho, ele quer de coração que seu filho ouça. Dam quer dar ao seu filho o prazer de ouvir uma música, uma sirene, o prazer de ser “normal”. Já Laura, considera a cirurgia arriscada e desnecessária, pois seu filho não é deficiente e acredita que ele deve aceitar-se como é e ser feliz assim.

Opiniões são divididas acerca do implante coclear e é o drama de muitas famílias. Tal decisão cabe aos pais e deve ser decidida com ajuda de um profissional. É bom olhar para os dois lados da moeda: procurar um médico, mas procurar uma comunidade surda também! Extremos nunca são saudáveis… Questionar um médico, questionar um surdo. O filme me questionou: é possível ser feliz como somos? E se você estivesse no lugar dos pais? O que faria?

Filme:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=EJt9NTNTlwo&w=560&h=315]

Você também pode gostar...

Deixe um comentário